• Português
  • English

Notícias

OP.Edu no Museu do Aljube – Resistência e Liberdade

 

No dia 27 de outubro de 2022 decorreu o primeiro Colóquio do Ciclo 25 de Abril 50 Anos: Olhar o Passado, Pensar o Futuro. Com acolhimento no Museu do Aljube – Resistência e Liberdade e dinamização por Inês Vieira, neste primeiro encontro conversamos sobre Experiências de Educação Popular: O Centro de Estudos Educação e Cultura (C.E.E.C, Porto) com José Ferreira, elemento do C.E.E.C. no período de transição democrática.

A conversa versou sobre a origem do C.E.E.C. e a sua reestruturação com o 25 de Abril, as propostas de atuação que norteavam esta organização, as discussões e realizações sobretudo em termos de propostas educativas, o envolvimento em comissões de moradores e trabalhadores, o impacto do 25 de Novembro de 1975 e o fim do Centro. As memórias de José Ferreira foram sendo ilustradas por cartazes, autocolantes, boletins, jornais do C.E.E.C., artigos noticiosos e de reflexão educativa a partir desta organização. Esta documentação foi recolhida pelo próprio no arquivo Ephemera, na Biblioteca Pública Municipal do Porto, no Arquivo Municipal Sophia de Mello Breyner (Vila Nova de Gaia) e na Hemeroteca Municipal de Lisboa, em diálogo com outros elementos que dinamizaram o C.E.E.C..

O evento contou com a presença das direções do Museu do Aljube, do CeiED e do Op.Edu, bem como de investigadores e estudantes (Licenciatura em Educação Social, Universidade Lusófona), e com o apoio de Henrique Godoy (doutorando em Sociomuseologia, Universidade Lusófona e investigador do CeiED) na organização.

Projeto de investigação RePeME premiado na 3.ª edição do Concurso Excelência na Investigação

O projeto E depois da pandemia? Recuperação, permanências e mudanças no ensino básico em Portugal (RePeME) alcançou o 3.º lugar, e financiamento para o desenvolvimento das suas atividades, no Concurso Excelência na Investigação – Programa FAZER + de Apoio à Ciência e Inovação, tendo o Júri destacado a sua pertinência, carácter interdisciplinar e qualidade científica.

O projeto RePeME visa contribuir para a construção de conhecimento atual e rigoroso sobre as mudanças pós-pandemia introduzidas nas escolas portuguesas do 1.º e do 2.º ciclo do ensino básico e desenvolver-se-á em torno de três grandes eixos:

  1. compreensão das estratégias de mitigação das desigualdades escolares em contexto pós-pandémico, através das suas projeções na reflexão sobre as práticas institucionais e pedagógicas;
  2. identificação e análise de oportunidades de desenvolvimento profissional dos/as professores/as e das condições necessárias para garantir o seu bem-estar e saúde mental;
  3.  identificação e análise das medidas e ações implementadas de recuperação e/ou consolidação das aprendizagens, de acompanhamento dos alunos/as – incluindo medidas e ações de prevenção de risco de desistência e de abandono escolar -, e de avaliação dos seus resultados.
Como fatores de inovação relevantes do projeto, destacam-se a construção de um Barómetro para recolha de dados que permita a monitorização, regular e à escala nacional, das transformações pós-pandemia nas escolas portuguesas do ensino básico, e a sua orientação para a consolidação do trabalho cooperativo e interdisciplinar, respaldada nas competências da equipa de investigação em políticas públicas, análise e intervenção em educação, sociologia da educação, comunicação e tecnologia, e saúde e psicologia.

Um coletivo que será reforçado com a participação de estudantes dos Doutoramentos em Educação e em Ciências da Comunicação e que integra as investigadoras Ana António (ESEL-IPLUSO, CeiED-OP.Edu), Conceição Costa (Universidade Lusófona, CICANT), Inês Vieira (Universidade Lusófona, CeiED-OP.Edu), Maria Neves Gonçalves (ESEL-IPLUSO, CeiED) e Teresa Teixeira Lopo (Investigadora Responsável; CeiED-Op.Edu). bem como, os investigadores José Viegas Brás (Universidade Lusófona, ESEL-IPLUSO, CeiED) e Paulo Sargento (ERISA-IPLUSO, CEAD, NICiTeS) e, ainda, os consultores Daniel Bart (Universidade de Lille, CIREL) e Filippo Pirone (Universidade de Paris-Est Créteil, LIPHA).

Ciclo de Colóquios 25 de Abril 50 Anos: Olhar o Passado, Pensar o Futuro | Experiências de Educação Popular: O Centro de Estudos Educação e Cultura (C.E.E.C., Porto) | 27 de outubro – 15H00

 

Realiza-se no próximo dia 27 de outubro, às 15h00, no Museu do Aljube – Resistência e Liberdade, o primeiro Colóquio do Ciclo 25 de Abril 50 Anos: Olhar o Passado, Pensar o Futuro subordinado ao tema Experiências de Educação Popular: O Centro de Estudos Educação e Cultura (C.E.E.C., Porto).

O período de transição democrática em Portugal, particularmente entre 25 de Abril de 1974 e 25 de Novembro de 1975, foi marcado por uma forte perceção de vivência utópica que incluía o campo educativo. Para aprofundar a construção democrática era necessário desenvolver diversas formas de participação, nomeadamente através da educação de adultos, potenciando o seu maior envolvimento na nova vida política do país. Nesse sentido, para além de iniciativas de cunho mais estatal, foram desenvolvidas diversas experiências de educação popular com organização local, promovidas por comissões de moradores, comissões de trabalhadores e outras organizações associativas com enfoque no campo cultural.

Neste Colóquio, dinamizado por Inês Vieira, iremos conversar sobre uma dessas experiências, no âmbito do Centro de Estudos de Educação e Cultura (C.E.E.C.), que funcionou no Porto no período de transição democrática. Para além da documentação disponível sobre o C.E.E.C. (boletins e jornal do Centro, artigos de imprensa), José Ferreira partilhará memórias da sua experiência enquanto elemento ativo do C.E.E.C. durante o seu funcionamento, situando as iniciativas de alfabetização no conjunto de atividades e dinâmicas locais desta organização, da animação cultural de comissões de moradores às ações de luta por habitação e ocupações para criação de equipamentos socioeducativos.

A participação no Colóquio é livre, mas limitada à disponibilidade de lugares e com inscrição prévia em: https://forms.gle/4KDn9XjWmgaRZWMM7

Conferência Formação Inicial de Educadores/as de Infância e Professores/as reúne mais de 200 participantes

 

Realizou-se no dia 23 de setembro de 2022, a I Conferência Nacional Formação Inicial de Educadores/as de Infância e Professores/as: Realidades e Perspetivas em Debate aberta a uma audiência presencial e online e que reuniu mais de 200 participantes.

A Conferência permitiu a discussão qualificada e a reflexão em torno de vários temas, contrastando realidades e perspetivas, incluindo o acesso à profissão, os planos de estudo, e a iniciação à prática profissional de educadores/as de infância e professores/as.

A Conferência contou, na sua Sessão de Abertura, com intervenções do Reitor da Universidade Lusófona, Mário Caneva Moutinho, e de Teresa Teixeira Lopo e Ana Maria Seixas (CES), codiretoras do OP.Edu.

Seguiram-se as intervenções, desdobradas em vários Painéis,  de António Teodoro,  Diretor do CeiED  e do Instituto de Educação da Universidade Lusófona, Assunção Flores, do Instituto de Educação da Universidade do Minho, Carlos Ceia, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Dalila Lino, da Escola Superior de Educação do IPL – Politécnico de Lisboa, Ernesto Candeias Martins, da Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Castelo Branco, Joaquim Escola, da Escola de Ciências Humanas e Sociais da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Maria João Cardona, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém, Maria João Mogarro, do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Vítor Duarte Teodoro, do Instituto da Educação da Universidade Lusófona.

No evento participaram, ainda, Sílvia Berény, da OSMOPE – Organização Social do Movimento das Pontes Educativas, Elizabete Eufémia, da Associação Tempos Brilhantes e Conceição Ramos, da Escola Secundária Maria Amália Vaz de Carvalho, bem como, as ex-alunas Ana Lima e Leonor Teixeira da Rocha do Mestrado em Educação Pré-escolar e Ensino do 1.º ciclo do Ensino Básico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti e de Viviana Rodrigues do Mestrado em Ensino de Artes Visuais no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário da Universidade Lusófona,  que relataram as suas experiências recentes de transição e entrada na profissão docente.

As apresentações contaram com a moderação experiente dos investigadores do CeiED e do OP.Edu Ana Paula Gomes, Arlinda Cabral, Clara Craveiro,  Constança Vasconcelos, Inês Vieira, Isabel Sanches, João Filipe Matos, João Gouveia, Maria Neves Gonçalves e Nuno Mantas.

Em parceria com o Centro de Formação de Escolas António Sérgio, esta conferência foi certificada como Ação de Formação de Curta Duração (ACD), ao abrigo do Despacho 5741/2015 de 29 de maio, para efeitos de progressão da carreira docente de educadores/as de infância, docentes do ensino básico e secundário, e de educação especial.

A proposta apresentada por António Teodoro no encerramento dos trabalhos – Um novo contrato social para a formação inicial de professores – será disponibilizada brevemente para consulta pública de todos/as os interessados/as.